Juízes de Basquetebol perplexos com actual postura da FPB
Últimas Notícias
Domingo, 07 Agosto 2011 22:09

Um número significativo de juízes de basquetebol reuniram-se, na passada sexta-feira, simultâneamente em Lisboa e Aveiro e foi unânime a perplexidade de todos perante as medidas apresentadas pela FPB e, segundo a mesma, apoiadas pelos clubes, que visam, mais uma vez, apontar os juízes como o bode expiatório e os responsáveis pela má situação financeira desta entidade.

 

Desde a época de 2008/09, apesar do incremento de jogos nacionais, os custos de arbitragem sofreram uma redução líquida global de 6,3%, o que em termos reais representam uma redução de mais de 10% por cada jogo. No entanto, devido à redução das comparticipações do Estado em cerca de 15%, a FPB entende que os juízes devem encaixar uma redução real de 25% nos custos de arbitragem - apesar dos prémios de jogo não serem revistos há 4 épocas (2007/08) e dos custos de transporte terem sofrido um incremento de 40%.

 

Mais ainda, o último pagamento aos juízes refere-se aos jogos realizados até Fevereiro de 2011, agravado ainda mais pelo novo e penalizador enquadramento fiscal, implicando que muitos juízes já tenham liquidado o IVA de recibos emitidos e ainda não cobrados. E ainda é preciso contabilizar que as deslocações para os jogos são pagas pelos juízes, que estes estão obrigados pelo Conselho de Arbitragem a frequentarem acções de formação mensais em várias zonas do país as suas expensas, que têm de pagar o seu equipamento e seguro desportivo e ainda custeiam chamadas telefónicas e SMS a que são obrigados pelos regulamentos em vigor, o que faz com que os valores que cada juiz disponibiliza para a arbitragem interfira cada vez mais com o orçamento familiar e o mesmo seja esticado ao máximo.


Em face desta gravosa situação, há o risco de degradar as competições oficiais com a proposta de reduzir o número regulamentar de juízes da Liga e na Proliga, exigir o pagamento de uma elevada taxa de inscrição sem a qual não podem exercer a sua actividade - uma situação discriminatória e que, enquanto prestadores de serviços em contínua situação de crédito por vários meses, nem sequer seria ético considerá-la - e, como se não bastasse, a suspensão de policiamento em várias competições, o que comporta um risco acrescido para os juízes. A resposta a isto? Cortes de custos exagerados e desproporcionais, eliminação de juízes com o risco de degradar a competição, pagamentos tardios, entre outros.

 

É ultrajante para os juízes, que são quem garante o desportivismo e o cumprimento das regras, serem tratados com total desrespeito e considerados como um custo dispensável. A titulo informativo para os menos atentos: os juízes de basquetebol frequentam formações periódicas, realizam testes teóricos e físicos, são observados e classificados mais de uma dezena de vezes por época, devem estar na localidade onde se realiza o jogo pelo menos 2 horas antes do mesmo, devem apresentar-se no pavilhão com 75 minutos de antecedência, encontram-se sobre elevada tensão e pressão externa durante este período e as 2 horas que dura um jogo e aufere um prémio de jogo, em algumas competições, inferior a muitos auxiliares de limpeza, com todo o respeito pela função destes.


Os juízes não pretendem sequer ponderar sobre estas medidas enquanto não virem os protocolos assinados com a FPB cumpridos, principalmente no que toca ao prazo de pagamento do serviço prestado. De qualquer forma, os juízes já contribuem há 5 anos para a redução dos custos de arbitragem e, até à data, enquanto agentes responsáveis pelo cumprimento das regras, têm cumprido religiosamente as suas obrigações: inscrições, exames médicos, presença nas acções de formação e pagamento dos prémios de seguros. No entanto, ninguém pode obrigar os juízes a actuar sem que os seus direitos sejam reservados e sem que lhe seja dado o devido respeito pela função honrosa que, a prejuízo do seu descanso e das suas famílias, exercem aos fins de semana durante a época.

 

A Direcção da ANJB

 

 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.